sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Incentivo ou Motivação?

Tem dia que simplesmente não dá.
Não dá para encarar acordar cedo, trabalhar, estudar.
O desânimo bate de tal forma que tudo o que você deseja é que este dia passe num piscar de olhos.
Você gosta do seu trabalho, adora ir para a faculdade ou para o curso. O que acontece então?
Um dia ou outro, pode não ser nada, ser cansaço ou aquela preguiça num dia mais frio. Mas, e quando o desânimo torna-se freqüente?
Não é de tristeza e depressão que estamos falando. Não da falta de ânimo de ver amigos ou curtir um cinema, mas daquele desânimo das “obrigações”.
Pode ser falta de perspectiva, falta de elogios no trabalho, falta de afinidade com colegas, com professores, falta de reconhecimento.

O ser humano esta sendo movido a incentivo.
Mas, será que temos sempre que ter incentivo para tudo?
O certo é ter “motivos”.
Motivos, metas para fazer as coisas.
Motivos para enfrentar tudo durante um dia de trabalho e ainda agüentar passar meia noite na faculdade. Motivos para seguir em frente, motivos para a batalha do dia-a-dia.
E os motivos, não podem ser dados.
Fala-se muito em “motivação” e confunde-se motivação com incentivo.
Incentivo vem de fora, é um prêmio, o que você pode ganhar se fizer tal tarefa, se cumprir sua obrigação. Pode ser um aumento de salário, uma promoção, um emprego no final da faculdade.
Motivação vem de dentro, vem da vontade de fazer aquilo, no prazer que te proporciona, na realização de ver tudo concluído, na satisfação de alcançar a meta.
A motivação é você quem faz.




Mas como sempre é mais fácil olhar para fora e procurar e apontar o culpado, nós colocamos as desculpas de nosso desânimo sobre a empresa, o trabalho, a faculdade, as pessoas.
Difícil ver que a causa de tudo provavelmente esta dentro de você. Que para ter um aumento de salário, você passa por cima das suas vontades, suporta um emprego que te aborrece e atropela quem for pelo prêmio do aumento do salário, mas não necessariamente isto te fará realizado.
A mesma coisa na faculdade, nos relacionamentos, na família. Em todo lugar falamos que precisamos ser incentivados.
Na verdade, precisamos mudar o foco e procurar nossos motivos, nossas metas.
Sabendo disso, fica mais fácil decidir se tudo o que você faz hoje vale a pena ou se você está perdido em obrigações que poderiam muito bem ser prazer na sua vida.

2 comentários:

Anônimo disse...

ótimo....essa foi a melhor explicação de todas....continuem fazendo este ótimo trabalho...

Maria Silvia disse...

Poxa sempre confundimos a motivação com o incentivo! Para mim era tudo igual. Agora com este post ficou tudo claro.