segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Tristeza


Algo acontece. Sempre há algo acontecendo, mesmo quando estamos entediados por nada acontecer. De repente, ao analisarmos as situações, as relações, percebemos que não estão como gostaríamos que estivessem. Ouvimos palavras que não eram as que gostaríamos de ouvir. Muitas vezes nem esperávamos ouví-las. Temos nossa percepção do mundo e das coisas abaladas pelas nossas atitudes ou, normalmente, pelas dos outros. Perdemos alguma coisa que não gostaríamos de perder, ou pior, não imaginávamos que gostávamos tanto a ponto de perde-la. Chamam isso de vazio.
Algo acontece com nosso rosto. Parece que nesse momento todos começam a perceber, afinal, é algo que toda a humanidade conhece. Ainda que não saibamos de onde vem ou negamos de onde venha. Não é melhor alimentar a angústia quando se pode descobrir em que vaso ela está germinando. Normalmente descobriremos não ser vaso algum, que não algum que inventamos. Outras vezes matamos essa erva daninha simplesmente aceitando que ela germinou.
No fundo, é uma mistura de impotência com contrariedade e desilusão. Algo acontece e não é o que você queria. Não é o que queria ouvir, nem a imagem que queria ver... Há quem goste de viver assim para justificar o medo de descobrir alguma coisa nova e ter que lidar com sentimentos como a esperança, o desejo, o sonho. Há quem deseja ficar onde está do que acabar voltando para este mesmo lugar por acreditar na esperança. Há quem acredita que vai passar... E sempre passa. Passa sempre. Basta querer. A cura vem de você.
Não importa o que aconteça dentro de você, não plante sua semente no vaso de ninguém.
Não coloque sobre os ombros de ninguém a responsabilidade de se encontrar e se reerguer.
Algo sempre muda. Como leite no copo de vinho. Como água no tanque de gasolina. Dinamite no hot-dog.
É só ausência de alegria. Desgosto, consternação, melancolia e aflição...
Me acredite, sempre passa.

Um comentário:

MaFê disse...

Hummmmmmmmmm,
poesia.


BeijOM,