segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Carta Aberta à Indignação

Estou indignada!
Indignada com a Sra. Indignação. É, com o sentimento mesmo. E por isso vou tratá-la como pessoa, já que esta carta é sobre e para ela.
Você, Sra. Indignação, que representa o sentimento de cólera ou de desprezo excitado por uma afronta, uma ação vergonhosa, uma injustiça frisante... enfim, um sentimento de revolta. E em uma Democracia, o direito a sentir-Te, Sra. Indignação, é sagrado.
Você já foi grandiosa, motivou grandes feitos!
Foi através de você que surgiram grandes líderes. Grandes homens que te sentiram no mais puro do seu significado, e se rebelaram, e lutaram contra a afronta de um situação degradante de seu povo, e fizeram mudanças. Você, Sra. Indignação, estava lá quando as pessoas se revoltavam contra uma opressão ao coletivo.
Você, Sra. Indignação, deu o empurrão, a coragem que faltava para que houvesse união entre os fracos e estes tivessem voz e bravura para derrubarem monarcas, impérios, ditadores e sistemas.
Você, Sra. Indignação, já foi digna!
Quando as pessoas realmente te sentiam ao se confrontarem em situações onde outra pessoa, seu igual, estavam sendo maltrado, oprimido, ameaçado, e elas corriam ao auxílio, ao invés de se ocultarem no medo e na indiferença.
Você, Sra. Indignação, andava junto com a Solidariedade e com o Respeito, conhecia a Coragem e era amiga do Amor ao semelhante.
Foi-se o tempo em que você se manifestava contra todas as injustiças, sendo elas diretamente com aquele que a sofriam, ou vendo outras pessoas sofrendo por isso.
Onde está você hoje?
Deu as mãos para a Indiferença e o Egoísmo. Virou companheira da Vergonha e do Medo.
Ainda existe, mas não chega a ser a sombra do que um dia já foi.
Hoje se manifesta individualmente, olhando cada problema de forma pessoal, separada do coletivo. Se manifesta nas pessoas apenas quando a injustiça acontece diretamente com elas. Se a mesma injustiça acontecer com a pessoa ao lado, você já não aparece, Sra. Indiganção.

Limitou-se.
Não inspira mais sentimentos de mudanças. Tem medo de se manifestar em público e vergonha do que as outras pessoas pensarão se tiver uma demonstração da raiva. Isso porque as pessoas que te olharão, Sra. Indignação, também limitadas como são, não conseguem mais enxergar tua grandeza nesses atos, e sim, um ataque de loucura, e não te apoiam...
Tornou-se pequena, Sra. Indignação, como os sentimentos de Preocupação e Solidariedade do ser humano ao seu igual.
Brada sua revolta no conforto de sua casa, para ouvidos amigos, ganhando brigas e discussões imaginárias. Lembrando-se da situação com raiva, sim, com muita raiva, mas com a FRUSTAÇÃO de ter deixado passar o momento de manifestar-se.
Mediocre, essa é a palavra para você atualmente, Sra. Indignação.
Não inspira mais as pessoas a defenderem seus iguais, mesmo em situações ultrajantes, pois o problema não é com aquele que esta assistindo. Se fosse, você teria coragem de mostrar seu rosto, Sra. Indignação?

Estou indignada, Sra. Indignação. Com o ser humano.
Que conseguiu reduzir a um mero discurso no sofá da sala um sentimento que antes servia de estimulo para grandes atitudes.
Sem você, Sra. Indiganação, tornamo-nos apáticos aos acontecimentos, aceitamos as maiores atrocidades como se assim tivesse que ser. Engolimos violência, corrupção, banalização e o único que fazemos hoje é reclamar quando o problema bate a porta. E veja bem, RECLAMAR, sem tomar uma atitude. E isso quando bate à sua porta, porque se for na porta do vizinho, você, Sra. Indignação, já não é mais requisitada.
Uma pena, Sra. Indignação, que o ser humano tenha aprisionado um dos seus sentimentos mais dignos e altruístas. O sentimento que dava um tapa na Indiferença e motivava a mudança.

Triste, Sra. Indignação, como o ser humano se torna menos humano sem você por perto.

3 comentários:

[flor] disse...

o que posso dizer sem me tornar piegas? o que posso dizer sem me incriminar?

indignação é um sentimento que faz parte do meu dia a dia. sinto-me triste, decepcionada e de mãos atadas para tudo o que acontece no mundo... não no planeta terra, mas no mundo em que vivo (podemos restringi-lo a São Paulo, ao meu itinerário de casa para o trabalho e vice-versa).

vemos absurdos sendo cometidos diariamente: crimes, brutalidade, indiferença, descaso, fome, filhos matando pais, pais matando filhos, gente matando e morrendo em nome do "amor" (que grande piada)... enfim, problemas inúmeros que nos assombram no cotidiano.

e o que fazemos? NADA.
nos chocamos, até ficamos indignados, mas na real, o que fazemos? NADA!

sempre o mesmo discurso, as mesmas palavras, as mesmas idéias e nunca conseguimos levar adiante nenhum deles, nenhum plano... NADA saí do papel, NADA saí do pensamento... simplesmente NADA.

tenho orgulho das poucas pessoas que fazem algo, que ainda tentam fazer a diferença em um mundo tão indiferente. tenho orgulho de vocês, que não apenas levantam a voz, mas também levantam a "bunda da cadeira" e tentam salvar o mundo... o mundo que os cerca.

minhas armas são só as palavras. e eu falo, eu escrevo... mas na maioria das vezes escrevo para o NADA, falo para o NADA, grito para o NADA, para pessoas que não querem saber de NADA.

e as vezes acho que o NADA sou eu...

b disse...

A indignação está escondida, depois de um tempo em "spas" e cirurgias plásticas:
-Na mídia em geral
-Em Brasília, local prèviamente pensado para deixar a capital longe do povo.
- Na democracia, que oferece a maldita "bolsa família"- que é o mesmo que dar o peixe em vez de ensinar a pescar, criando empregos e cursos profissionalizantes para quem não pode estar em uma faculdade.
O "bolsa família" é a manutenção de um sistema de castas, disfarçado de democracia, só porque de vez em quando se pode escolher um governante - que já é governado.
-Escondida nas doutrinas que ensinam ser bom e conveniente que cada um carregue a sua cruz mas não ensinam que a cruz é coletiva.
-Não tenho esperanças e rogo aos deuses sem religião pelos nossos jovens.
Falei bobagem talvez, mas eu quis mesmo é participar.
Porque vocês são muito bons!

Anônimo disse...

Voto: Exercer quem quizer. em um período que não tire o Cidadão do seu escasso Lazer com família, convivio com amigos ou até mesmo que fique em casa descançando.

Depois de empossados, escorregam na lábia de acordos de licitações e outros favores...na esparrela da corrupção, lavagem de dinheiro, na laranja [pena, pois é uma fruta de origem chinesa com nome persa(??) creio], ou outros adjetivos mais antigos como colarinho branco ou acaba em pizza, riqueza aqui temos, de besteirol desculpas
esfarrapadas e relaxol, menos na cobrança de IPTU's ou demais. A seriedade cívica que os cargos pedem onde está??? Até quando ??? Céu celestial. Só temos Embromação,Enrolação e Repetição de DESCULPAS, arre égua!!!!