sexta-feira, 20 de junho de 2008

Nhoc... GULA!

... Estava aqui...hummm e... espera um pouco...huh... depois de ler o texto da ...inhoovehuja... inveja... resolvi...hum... que ia escrever... sobre.... ...ah ... ... ... calma que estou comendo... ‘gulp’...

GULA!

Pronto. Engoli e larguei o que estava comendo...

A porcaria da Ortodoxia considera a Gula um pecado perdoável! Óbvio. Ele é mais fácil de ser admitido, envolve a maravilha que é comer e claro, ele é visível pelos outros. Assim, inveja ninguém tem, mas a gula... bem, a gula é perdoável.
Pode até ser que seja...pelos outros, mas não devia ser perdoada e permitida por quem “peca” com ela. (peca contra quem?)
A Gula, é entendida como “comer e beber em absurdo excesso”.
Enquanto eu pecava, me empanturrando de biscoitos, pensava que comer em demasia nada mais é que uma fuga.
Quem é chegado a fabricar e remoer um problema, normalmente não come, só para se afundar mais um pouquinho no pepino inventado. Quem não gosta, quando tem algum, mergulha na comida – e na bebida – como uma deliciosa forma de fuga.
Gula é fuga? Sim... saborosa FUGA!
Quando comemos em excesso, estamos buscando uma certa tranqüilidade, que não conseguimos sem a comida. Estamos tristes: comemos; Ansiosos: comemos; Angustiados: comemos; Esperando: comemos... às vezes até os dedos! E não se trata apenas da quantidade de comida, mas da quantidade de vezes que nos pegamos comendo.
A Gula é filha da inveja, porque projetamos na comida, nossa insatisfação por não TER, não FAZER, não SER, o que sentimos que devíamos...e por isso... comemos para tentar preencher um vazio que não está no estomago! Está em nossa alma. Em nossos sonhos e desejos. (até sexual).
Quem sofre com a gula, sempre está inquieto, sente que não está cumprindo seu papel, ou fazendo o que queria estar fazendo. Ou porque está acomodado demais... a GULA... é um aviso! Um indicativo de vazio! E não é de comida. Existe até a gula de atenção, a gula de conversa, a gula de contato, a gula intelectual, onde devoramos e sugamos feito loucos o momento e não o absorvemos... não o aproveitamos, deglutimos sem mastigar, sem goles... e isso faz mal.
BEBER e COMER demais nos faz esquecer de nossas insatisfações conosco. “Nos faz esquecermos aquilo que não somos” e deveríamos ser. E não por coisas impossíveis: “Tenho Gula porque queria ser milionário e acabei de arranjar emprego” – NÃO! É por não sermos melhores conosco, por não buscarmos o que nos satisfaz, por não estarmos sendo quem gostaríamos de ser... é por sentir que o tempo de evoluir passou e ainda estamos aqui, com a cara nessa macarronada sem fim.
A Gula precisa ser reconhecida! “Opa, estou comendo demais... do que estou fugindo??”
“O que estou deixando de ser?” – “Como preencher esses vazios, com o que o vazio realmente precisa? Porque com feijão, não vai dar certo”. Se há GULA, há VAZIO.
A Gula nos faz fugir da CULPA. Mas de cada culpa que foges, voltas com duas, a original e a por ter comido demais, vivendo assim num ciclo vicioso onde você termina se sentindo menos atraente, menos feliz, menos disposto e mais vazio...Devorar a comida é devorar a si mesmo. Beber em excesso é sugar o momento... e depois, não adianta contar a bebedeira para todos como se aquilo fosse o máximo. Lá dentro de você, você sente o vazio... e vai buscar preenchê-lo de novo, e de novo... preencha-o com a coisa certa! Não fuja da sensação de não ser o que gostaria. Destrua-a buscando SER!!!!!!!!
Se acordasse hoje e todas as religiões tivessem desaparecido, se alimentar ainda seria um ato solene e sagrado. Um momento a se contemplar, de absoluto prazer, para o corpo, e para a alma, uma dádiva divina. Comer é uma delícia, ainda mais comida boa, e já que não existe delivery no cemitério, nem no crematório – coma enquanto puder, mas sem gula. Aproveite todos os pedaços como se eles fossem o ultimo...lamba os dedos... faça isso com a vida também!
Agora com licença, vou beber meu refrigerante.

2 comentários:

Afiadora disse...

Ora essa...disponha sempre! Alem do mais, é smp um prazer receber alguem no blog...

P.s:Tb roubei a imagem algures!Mas pronto, isso fica entre nos.

MaFê disse...

Oi, Fê,

tá vivo! rs...

Apoiado.
Quem come pelo sentido (da fome) não come pela falta.

Sabe, uma das coisa que praticar Yoga me deixa feliz é que não tem pecado, não tem certo nem errado.
Tem tapas (fogo interior, determnação), tem seu foco, é hatha (forte).

BeijOM,